LIÇÃO 13 – As orações dos santos no altar de ouro| 23/09/2018

3tadultoslicao13-18b

INTRODUÇÃO

No Antigo Testamento, o incenso era a oferenda mais preciosa e excelente que se podia oferecer ao Senhor. Ali, no limiar do lugar Santíssimo, o sacerdote entrava, com temor e tremor, para adorar a Deus com um incenso preparado exclusivamente àquela ocasião.

Hoje, o sacrifício mais sublime que devemos oferecer ao Senhor são as orações, súplicas e ação de graças. Por esse motivo, o Senhor Jesus recomenda-nos a entrar em nosso quarto, fechar a porta, e, no segredo de nossos aposentos, oferecer clamores e ação de graças ao Pai Celeste (Mt 6.6-13).

I. O LUGAR SANTÍSSIMO 

Para se oferecer o incenso ao Senhor, três coisas eram necessárias: o lugar, o altar e a cerimônia. Apenas o sumo sacerdote estava autorizado a conduzir esse ato de adoração.

1. O Lugar Santo. No Lugar Santo, ficavam três mobílias: o candelabro, à esquerda de quem entrava; a mesa dos pães da proposição, à direita; e, no limiar, entre o Lugar Santo e o Santíssimo, bem em frente ao véu que os separava, estava o altar do incenso (Êx 26.35).

Há algo muito importante que devemos considerar. Embora o altar de incenso estivesse no Lugar Santo, era considerado também parte da mobília do Santo dos Santos juntamente com a arca da aliança (Hb 9.1-10).

2. O altar do incenso. Feito de madeira de acácia, o altar de incenso era revestido de ouro, sendo estas as suas medidas: um côvado de comprimento, um de largura e dois de altura (Êx 30.1-10; 37.25-28). Os seus ornatos compunham-se de quatro chifres, bordas, quatro argolas e dois varais; tudo revestido de fino ouro.

3. A composição do incenso. O incenso destinado ao altar de ouro não podia ser usado indistintamente; era de uso exclusivo do Senhor (Êx 30.38). Esta era a sua composição: estoraque, ônica e gálbano (Êx 30.34-36). A receita do perfume não constituía nenhum segredo. Todavia, se alguém o reproduzisse para uso profano seria punido severamente.

4. A cerimônia. O incenso só podia ser queimado com as brasas do altar de bronze (Lv 16.12). E, já de posse destas, o sacerdote aproximava-se do altar de ouro para queimar o incenso no altar de ouro. Dessa forma, a nuvem do incenso cobria o propiciatório, mostrando à Casa de Israel o favor divino (Lv 16.13).

Observemos que, antes de achegar-se ao altar de ouro, o sacerdote tinha de passar, necessariamente, pelo altar de bronze. Isso significa que, sem o sangue de Cristo, jamais teremos acesso ao trono da graça (Hb 9.12).

II. AS ORAÇÕES DOS SANTOS 

As orações dos santos, qual incenso precioso, são inimitáveis em seus efeitos. Eis por que não podemos relaxar quanto à nossa comunhão com Deus.

1. A receita para uma oração perfeita: nosso incenso. O Senhor Jesus, no Sermão da Montanha, entregou a seus discípulos o modelo de uma oração perfeita (Mt 6.9-13). Ele exorta-nos também a não imitarmos os gentios e hipócritas, pois estes imaginam que, pelo seu muito falar, serão ouvidos (Mt 6.7).

Portanto, fechemo-nos em nosso quarto, e, ali, no lugar santíssimo, falemos com o Pai Celeste (Mt 6.5,6). E, dessa forma, entraremos com ousadia e confiança no trono da graça (Hb 4.16). Pode haver incenso mais excelente do que a oração dos santos? Além do mais, todas as nossas súplicas chegarão aos céus por intermédio do Espírito Santo, que intercede por nós com gemidos inexprimíveis (Rm 8.26).

2. A oração como sacrifício ao Senhor. O salmista, conhecendo perfeitamente a simbologia do incenso sagrado, assim orou ao Senhor: “Suba a minha oração perante a tua face como incenso, e seja o levantar das minhas mãos como o sacrifício da tarde” (Sl 141.2). Quando nos dedicamos integralmente ao Senhor, toda a nossa vida torna-se uma oferenda a Deus (Ef 5.2; Fp 2.17; 2Tm 4.6).

3. A oração dos santos na Grande Tribulação. No período da Grande Tribulação, logo após o Arrebatamento da Igreja, haverá um grande número de mártires (Ap 9.9-17). Todos estes, apesar da perseguição do Anticristo, atuarão como fiéis testemunhas de Jesus Cristo. As orações desses santos serão recebidas nos céus como incenso de grande valor (Ap 5.8; 8.3).

Ninguém pode deter o poder de um santo que, no oculto de seu quarto, roga a intervenção do Santo dos Santos (Tg 5.16). Irmãos, “Orai sem cessar” (1Ts 5.17).

CONCLUSÃO

Zacarias, pai de João Batista, ao ser escolhido para queimar o incenso sagrado na Casa de Deus, teve uma experiência que retrata ricamente por que o incenso, na Bíblia, simboliza a oração dos santos. Foi ali, no lugar Santíssimo, se levarmos em consideração Hebreus 9.2, que teve a sua oração respondida (Lc 1.5-23). Sua experiência com o Senhor foi completa. Ele viu o anjo, ouviu deste o anúncio profético sobre a vinda do Messias, e, finalmente, sua velhice foi consolada com a promessa de um filho, que seria o precursor do Filho de Deus.

Fonte: www.estudantesdabiblia.com.br

AD Manchester formou turma do discipulado

discimanchester

A Assembleia de Deus do Manchester, juntamente com departamento de discipulado, realizou a formatura da turma neste domingo, dia 16 de setembro. Veja as fotos.

Em uma noite marcada pela exaltação da palavra de Deus, presbítero Cristiano Medeiros, coordenador AD Içara, Ev. Edson Colonetti, dirigente da igreja, e o líder do departamento na igreja, Pb. Dilnei Nascimento formaram quatro alunos.

Foram dois meses e meio de acompanhamento com aulas semanais. Após o encerramento da formatura e entrega dos certificados foi realizada uma oração abençoando os formandos.

Seminário Teológico inicia nesta sexta

semi

A Escola Teológica da Assembleia de Deus de Içara estará promovendo um seminário para obreiros entre os dias 21 e 23 de setembro. A temática é “aprendendo para ensinar”.

O evento ocorrerá no templo sede da igreja com um culto de abertura na sexta, dia 21. Estará ministrando pastor Nilton dos Santos, presidente da CIADESCP. Durante o sábado a tarde e a noite ocorrem várias palestras, que se estendem durante o domingo pela manhã, dia 23. O encerramento será no mesmo dia com um culto no período noturno.

Entre os palestrantes estão pastor Joel Paulino da Silva, teólogo (Palmas/PR) e pastor Alan Brizotti, teólogo, (Goiania/GO).

As inscrições podem ser feitas diretamente com o dirigente de qualquer Assembleia de Deus em Içara ou no templo sede. O investimento é de R$ 25 (individual) e R$ 35 (casal).

CONFIRA A PROGRAMAÇÃO COMPLETA

21 | SEXTA

19h30min – Culto de abertura
Ministração: Pr. Nilton dos Santos
Tema: Todos por uma igreja mais unida, avivada, missional e relevante.
22 | SÁBADO

14h00min – Palestra 1
Ministração: Pr. Joel Paulino da Silva
Tema: Ser cheio do Espírito Santo, uma necessidade vital.

16h00min – Palestra 2
Ministração: Pr. Joel Paulino da Silva
Tema: Lidando com crises emocionais no ministério.

18h00min – Coffee Break

19h30min – Palestra 3
Ministração: Pr. Alan Brizotti
Tema: Tem como vivermos um genuíno avivamento com a visão de Reino que temos na atualidade? O que fazer?

21h00min – Palestra 4
Ministração: Pr. Alan Brizotti
Tema: Minha família – O maior campo missionário.

23 | DOMINGO

09h00min – Palestra 5
Ministração: Pr. Alan Brizotti
Tema: Atraídos pela Palavra, para combater as heresias.

10h30min – Palestra 6
Ministração: Pr. Joel Paulino da Silva
Tema: Vivendo como igreja relevante,
em meio a uma geração corrompida.

19h00min – Culto de encerramento
Ministração: Pr. Alan Brizotti

Pastora Iliani de Lima recebeu culto em ações de graça pelo aniversário

iliani

A Assembleia de Deus de Içara celebrou um culto em ações de graça pelo aniversário da pastora Iliani Maria Zortea de Lima, esposa do presidente, pastor Cirço de Lima. O encontro no templo sede ocorreu na noite de domingo, dia 16 de setembro. Veja as fotos.

Louvaram ao Senhor a Orquestra Celebração, irmã Anginha, e o Círculo de Oração do campo.

Ministrou a palavra de Deus irmã Elizabete Machado, esposa do pastor jubilado Jair Machado.

Pastora Iliani recebeu diversas homenagens, entre elas do filho Nathan e nora Juciéle. Os departamentos também presentearam a aniversariante.

Logo após a ministração a família Lima recebeu a oração da igreja e do corpo de obreiros.

Já próximo do encerramento pastora Iliani fez seus agradecimentos. “Sou grata ao Senhor por todos os gestos aqui expressados. Minha gratidão ao Senhor pela vida de cada um de vocês”.

Discipulado AD Içara apresentou novas ações em reunião

discireuniao

O departamento de discipulado da Assembleia de Deus de Içara esteve reunido para apresentar as novas ações do departamento para 2018/2019 no último sábado, dia 15. Veja as fotos.

Na oportunidade o coordenador do discipulado, presbítero Cristiano Medeiros apresentou o presbítero Tiago Domingues como 2º coordenador, empossado na reunião geral de obreiros de agosto. Na sequência comentou sobre o almoço do departamento, que será realizado no dia 18 de novembro, no Centro Comunitário do Cristo Rei. O evento será uma paella realizada pelo Chef Motta.

Em seguida o 2º coordenador, presbítero Tiago informou sobre as datas do curso de batismo e do batismo nas águas, dias 28 de novembro e 02 de dezembro respectivamente. Também informou sobre uma evangelização nas sinaleiras da cidade com propósito de convidar para a passeata do Dia da Bíblia 2018, que ocorrerá no dia 08 de dezembro as 13h30. No mesmo dia será realizado um evangelismo na praça central da cidade pela manhã.

Encerrando os assuntos foi tratato do 6º congresso do discipulado AD Içara. Ocorrerá entre os dias 08 e 10 de março de 2019, e terá pastor Adriano Sebben e Kelly Cristina ministrando a palavra. A temática será FAMÍLIA.

No encerramento o coordenador agradeceu a presença de todos e com uma oração despediu a todos.

Ceifeiros da Hora Final está com novo site

ceifeiros

O site do órgão missionário Ceifeiros da Hora Final foi totalmente reformulado. Desde o início de agosto o endereço eletrônico encontrava-se em atualização. O novo site conta com diversas páginas, entre elas, fotos, videos, notícias, projetos, contato entre outras.

A novo plataforma é totalmente responsiva, ou seja, adapta-se a qualquer dispositivo, seja ele um smartfone, um tablet, notebook ou mesmo um computador convencional.

Está muito mais dinâmico, limpo e destaca as informações mais relevantes. Nele é possível acessar todas redes sociais do departamento, entrar em contato enviando uma mensagem ou através de uma ligação.

Conforme o coordenador da entidade a mudança visa aprimorar a comunição do órgão missionário. “É necessário estarmos atualizados com as novidades tecnológicas. O novo site vem atender essa demanda de informação, que precisa chegar aos nossos contribuintes e colaboradores”, destacou.

Para acessar clique em www.ceifeirosdahorafinal.com.br

LIÇÃO 12 – Os pães da proposição| 16/09/2018

3tadultoslicao12-18red

INTRODUÇÃO

Os pães da proposição ficavam num dos lugares mais nobres e reservados do Tabernáculo. Ali, em frente ao candelabro de ouro, eram iluminados durante toda a noite. A simbologia é claramente cristológica: a luz do Evangelho mostra ao pecador faminto que somente Cristo pode saciar-nos plenamente. Nesta lição, veremos como Deus foi didático a Israel ao mostrar-lhe a suficiência de sua Palavra nos pães da proposição.

I. OS PÃES DA PROPOSIÇÃO

A fim de que os pães da proposição fossem introduzidos no tabernáculo, Deus ordenou o fabrico de uma mesa especial. Quanto aos pães, deveriam estes ser preparados de acordo com uma receita bastante específica.

1. A mesa dos pães. A mesa que receberia os pães da proposição, feita de madeira de acácia, tinha essas medidas: dois côvados de cumprimento (90 centímetros), um côvado de largura (45 centímetros) e sua altura, um côvado e meio (70 centímetros) (Êx 25.23-30). A mesa, toda revestida de ouro fino, recebeu adornos da altura de quatro dedos, bastante apropriados para conter os pães sagrados. Suas argolas serviam para transportá-la. A madeira de acácia, por ser medicinal, evitava fungos e parasitas que poderiam contaminar os pães sagrados.

2. Os pães da proposição. Os pães da proposição eram preparados todos os sábados pelos coatitas (1Cr 9.32). Em sua composição, usava-se a flor da farinha de trigo (Lv 24.5). Ou seja, a parte mais fina e nobre deste produto. Depois de cozidos, eram postos em duas fileiras sobre a mesa, sendo entremeados por incenso (Lv 24.6,7). Doze pães, um para cada tribo de Israel.

3. A simbologia dos pães. Os pães da proposição simbolizavam a presença sempre providencial de Deus no meio de seu povo (Jr 32.38). Desta forma, os israelitas deveriam saber que o homem não vive só de pão, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus (Mt 4.4). Quanto ao pão estar acompanhado de incenso, significa isso que a presença do Senhor sempre vem acompanhada pelas orações dos santos (Ap 5.8; 8.3,4).

Os pães da proposição, ou da presença, representam ainda a Palavra de Deus, que, através do Evangelho, alimenta o mundo faminto (Jo 1.1).

I. OS PÃES DA PROPOSIÇÃO

A fim de que os pães da proposição fossem introduzidos no tabernáculo, Deus ordenou o fabrico de uma mesa especial. Quanto aos pães, deveriam estes ser preparados de acordo com uma receita bastante específica.

1. A mesa dos pães. A mesa que receberia os pães da proposição, feita de madeira de acácia, tinha essas medidas: dois côvados de cumprimento (90 centímetros), um côvado de largura (45 centímetros) e sua altura, um côvado e meio (70 centímetros) (Êx 25.23-30). A mesa, toda revestida de ouro fino, recebeu adornos da altura de quatro dedos, bastante apropriados para conter os pães sagrados. Suas argolas serviam para transportá-la. A madeira de acácia, por ser medicinal, evitava fungos e parasitas que poderiam contaminar os pães sagrados.

2. Os pães da proposição. Os pães da proposição eram preparados todos os sábados pelos coatitas (1Cr 9.32). Em sua composição, usava-se a flor da farinha de trigo (Lv 24.5). Ou seja, a parte mais fina e nobre deste produto. Depois de cozidos, eram postos em duas fileiras sobre a mesa, sendo entremeados por incenso (Lv 24.6,7). Doze pães, um para cada tribo de Israel.

3. A simbologia dos pães. Os pães da proposição simbolizavam a presença sempre providencial de Deus no meio de seu povo (Jr 32.38). Desta forma, os israelitas deveriam saber que o homem não vive só de pão, mas de toda a palavra que sai da boca de Deus (Mt 4.4). Quanto ao pão estar acompanhado de incenso, significa isso que a presença do Senhor sempre vem acompanhada pelas orações dos santos (Ap 5.8; 8.3,4).

Os pães da proposição, ou da presença, representam ainda a Palavra de Deus, que, através do Evangelho, alimenta o mundo faminto (Jo 1.1).

III. JESUS CRISTO, O PÃO QUE DESCEU DO CÉU

Os pães da proposição são o mais perfeito símbolo do Senhor Jesus Cristo, pois a sua missão, neste mundo, foi (e sempre será) alimentar-nos com a Palavra de Deus (Jo 1.1).

1. Jesus, o pão da vida. O Senhor Jesus, através de sua palavra, revela-se como a água e o pão da vida (Jo 4.13,14; 8.32; Ap 7.17). Certa vez, Ele foi tão claro acerca de sua missão redentora, que levou alguns de seus discípulos mais chegados a escandalizarem-se com o seu discurso (Jo 6.48-60). O Senhor Jesus, como o pão vivo, não se limitou a ficar no santuário, mas, encarnando-se, trouxe a presença do Pai Celeste a toda a humanidade (Mt 1.23; Hb 1.3).

2. Jesus, o pão de nossa comunhão com o Pai. Jesus, como o pão vivo que desceu do céu, não precisa ser trocado todos os sábados, como os pães da proposição (Lv 24.8). Nosso Salvador, além de ser um sumo sacerdote infinitamente superior a Arão, é o pão divino; e, do próprio sábado é Senhor (Mt 12.8; Jo 6.41; Hb 7.17-25). Aliás, Jesus Cristo é o próprio tabernáculo de Deus. Ao encarnar-se, tornou-se semelhante a nós (Jo 1.14; Hb 9.11,12). E, com a sua morte e ressurreição, fez-nos acessível o trono da graça, no qual, hoje, entramos ousadamente (Hb 4.16).

3. Dai-lhes vós de comer. Hoje, ao proclamarmos o Evangelho, outra coisa não fazemos senão alimentar os famintos com a Palavra de Deus (Mt 28.18-20; Lc 9.13). Portanto, evangelizemos e façamos missões enquanto há tempo. A fome espiritual nunca foi tão acentuada como nos dias de hoje (Am 8.11,12).

CONCLUSÃO

No Antigo Testamento, apenas o sumo sacerdote e seus filhos tinham direito de comer dos pães da proposição. A única exceção foi Davi e seus homens (Mc 2.25,26). Através de Cristo, porém, temos acesso não somente aos pães da proposição como também ao lugar mais santo do tabernáculo. E, todas as vezes que nos reunimos para celebrar a Ceia do Senhor, lembramo-nos de que Jesus é a presença eterna do Pai entre nós (1Co 11.23,24). Ele é o pão da vida. Amém.

Fonte: www.estudantesdabiblia.com.br