Discipulado promoverá paella no congresso de missões do Ceifeiros

paelladiscipulado

O Discipulado AD Içara está organizando um paella com Chef Motta após a manhã missionária do 24º Congresso de Missões do Ceifeiros. O almoço de carnes brancas e saladas ocorrerá no domingo, dia 18 de novembro, as 12 horas, no salão de festas do Centro Comunitário do bairro Cristo Rei.

“Nosso propósito é unir os discipuladores e as pessoas parceiras do discipulado neste evento. Todo o lucro obtido com o evento será destinado a realização do 6º Congresso de Discipulado da AD Içara, que ocorrerá em março de 2019”, destacou o coordenador do departamento, presbítero Cristiano Medeiros.

Todos que desejam participar do almoço devem retirar o ingresso diretamente no templo sede AD Içara, de segunda a sexta, em horário comercial, ou nas congregações. O investimento por pessoa é R$ 20,00 e crianças de 06 a 10 anos pagam meia entrada.

AD Içara promoverá Novembro Azul no feriado

novazul

A Assembleia de Deus em Içara promoverá o Novembro Azul na próxima sexta, feriado de finados. A programação ocorrerá no templo sede e terá início as 17 horas.

Estará palestrando Dr. Rodrigo Assumção (Joinville). A temática do evento é “Homem que é homem se cuida”. O evento será dividido em duas palestras e um intervalo com coffee break entre elas.

O evento não possui valor de inscrição, entretanto é necessário trazer 1 kg de alimento não perecível, que será doado a Associação Beneficente Amor e Ação.

A organização do encontro está sendo feita pela Ministério de Homens do Templo Sede em parceria com o Círculo de Oração Masculino da AD Içara.

Não é necessário ser membro da igreja para participar do evento, todos estão convidados. Aos interessados, a igreja localiza-se em frente a praça da Prefeitura Municipal, na Rua Coronel Marcos Rovaris, 1319, Centro.

Culto de jovens para Deus foi realizado no templo sede

jovensdeus

Os jovens do templo sede promoveram o culto mensal no domingo, dia 28. Na oportunidade toda liturgia do encontro foi realizada pelo departamento. Veja as fotos.

O Coral Apocalipse, composto em sua maioria por jovens, entoou um louvor. A Orquestra Sinfônica Celebração também celebrou algumas canções. A Banda Tribo Corba trouxe alguns louvores. O cantor Márcio Barros também apresentou o lançamento do seu CD e também louvor ao Senhor.

Desde a leitura bíblica até a ministração dos louvores, tudo foi feito pelos jovens. Pastor Lucas da Rolt, líder do departamento no templo sede ministrou a palavra de Deus. “O cristão precisa ser o sal no mundo. O sal conserva as coisas e mantém elas livres da corrupção”, destacou.

24º Congresso de Missões do Ceifeiros se aproxima

chf18

O órgão missionário Ceifeiros da Hora Final e a Assembleia de Deus de Içara estarão em festa entre os dias 16 e 18 de novembro de 2018. Acontecerá mais um grandioso congresso de missões. A vigésima quarta edição do evento ocorrerá no templo sede da igreja.

Entre os convidados para o evento missionário estão: Pastor Lauri Villas Boas (Rio de Janeiro), Orquestra Celebração (Içara/SC), Ministério de Louvor Restauração, Kênia Araújo, entre outros.

A abertura ocorrerá na sexta, dia 16, a partir 19h30min. São esperadas pelo menos duas mil pessoas em todo evento. Nesta edição o tema do encontro é “Missões: Uma obra urgente. E o que tens feito? Jonas 1.8”.

Missionários deverão participar do congresso testemunhando o que está acontecendo nos locais onde trabalham a favor da obra de Deus e o progresso realizado durante o ano.

A programação completa, fotos, vídeos e matérias do congresso poderão ser acessadas no http://www.adicara.com.br e no http://ceifeirosdahorafinal.com.br

Conhecendo o Órgão

O Órgão Missionário Ceifeiros da Hora Final atualmente mantém cerca de 30 famílias de missionários em países das Américas, Europa e África. São alcançadas sete nações incluindo o Brasil.

No Brasil a instituição possui missionários nos estados de Minas Gerais e diversos municípios do interior de Santa Catarina. Os países Nicarágua, Espanha, Portugal, Cabo Verde, Argentina e Paraguai também possuem enviados pelo órgão.

No campo missionário são desenvolvidos trabalhos sócio-religiosos. Além da evangelização são executados trabalhos sociais como alfabetização de crianças, doações de alimentos, auxílio espiritual, etc.

O presidente da igreja é o pastor Cirço Ferreira de Lima. O coordenador das missões é o pastor Edson Cardoso.

cartaz2018chf

LIÇÃO 04 – Perseverando na Fé | 28/10/2018

4tadultoslicao4-18mi

INTRODUÇÃO

A perseverança na fé é uma das exortações bíblicas mais urgentes nos dias de hoje. Sobretudo, quando acompanhada da oração, pois esta também é de suma importância, visto ser a forma de comunicação vital dos discípulos com o Pai soberano nestes tempos perigosos até o estabelecimento final do Reino de Deus. Esta parábola, também conhecida como a “parábola da viúva persistente” mostra que a oração intermitente em tempos de crise é o meio pelo qual os discípulos do Reino se valem da justiça do Pai a seu favor.

I. INTERPRETANDO A PARÁBOLA DO JUIZ INÍQUO

1. Uma parábola difícil. Muitos estudiosos consideram essa parábola uma das mais difíceis. De fato, o modo como algumas Bíblias a intitulam, ou seja, quando na epígrafe editorial consta, por exemplo, “A parábola do juiz iníquo”, têm levado muitos a fazerem interpretações equivocadas sobre a bondade, o amor e a justiça de Deus. Contudo, devemos levar em conta o propósito que levou Jesus a contar essa parábola. Trata-se de uma parábola que, a exemplo de outras que estudamos ao longo desse trimestre, funciona como um contraste. Conforme veremos, ela possui até certo fundamento em seu estilo de acentuar a perseverança, e se faz acompanhar de um chamado ao discernimento (v.6), três afirmações da defesa graciosa que Deus faz dos seus e é concluída com um questionamento sobre a existência, ou não, da fé, quando chegar o tempo em que Deus defenderá os seus (v.8b).

2. O juiz. Não é preciso interpretar, ao pé da letra, cada detalhe de todas as parábolas. Entretanto, aqui vamos assim proceder com o fim exclusivo de mostrarmos o contexto que se passa na mente dos ouvintes. Tudo indica que na estrutura jurídica do judaísmo antigo existiam dois sistemas de tribunais: o judaico e o gentílico. Por isso, há estudiosos que entendem que o magistrado da parábola era um juiz gentio. A Mishná declara que três juízes deveriam definir a sentença nos casos que envolvessem propriedade. Flávio Josefo fala de tribunais com até sete juízes na Galileia. A parábola pressupõe um tribunal com um juiz somente, pois, neste caso, pode tratar-se de um simples recurso para a simplificação da narrativa. Na verdade, para entendermos melhor a parábola, não é tão importante o conhecimento do sistema jurídico daquele tempo, mas sim nos conscientizar da condição desesperadora de muitas viúvas da época que sofriam com juízes corruptos ou desumanos.

3. A viúva. As viúvas eram reconhecidas pelas suas roupas típicas, as quais indicavam sua situação (Gn 38.14,19). Naquele tempo as jovens casavam-se no início da adolescência, por isso, apesar de haver muitas viúvas, elas não eram, necessariamente, mulheres de idade avançada. A maioria era deixada sem nenhuma forma de subsistência. Se permanecessem na família do falecido, acabavam numa condição inferior, quase servil. Se retornassem para a sua família de origem, o dinheiro do dote repassado nas negociações do seu casamento teria que ser devolvido. Dessa forma, as viúvas em geral ficavam em uma situação bastante miserável. Geralmente elas eram vendidas como escravas para a quitação das dívidas. Portanto, uma mulher pobre, por causa da morte de seu marido, ficava privada do amparo social e, em caso de controvérsias de ordem pública, se não tinha dinheiro, precisava confiar na honestidade dos magistrados. Esse é o contexto em que devemos ler essa parábola.

4. O caso e a perseverança. A mulher tinha uma causa que deveria ser apresentada a um tribunal da cidade ou a um juiz que resolvesse exclusivamente a questão por via administrativa. Talvez se tratasse de pendências judiciárias ou mesmo dívidas deixadas pelo seu marido, de hipotecas sobre a herança patrimonial. Apesar de o caso poder enquadrar-se nos inúmeros existentes à época quando uma mulher tinha de defender seus direitos contra as maldades de um adversário poderoso que, sendo mais importante e influente, está seguro e tranquilo, ela toma uma decisão inédita, pois não escolhe advogados (talvez sua condição nem o permitisse), nem defensores públicos, mas contra o costume de seu ambiente, decide apresentar, pessoalmente, a instância ao juiz. Este, segundo o relato, é um juiz iníquo, isto é, não teme a Deus. Ela, porém, demonstra um coração decidido e uma disposição muito grande. Tanto que o texto usa a expressão “molesta” (v.5) para indicar a perseverança da viúva diante do juiz. Por isso, ao final, o juiz cede para não ser mais incomodado, isto é, “molestado” pela mulher que o importuna.

II. A BONDADE DE UM DEUS JUSTO

1. Deus é bom. Não é novidade o fato de a Bíblia estar repleta de textos que demonstram a bondade de Deus. A parábola, uma vez mais, reforça tal verdade quando o Senhor, retoricamente, questiona: “E Deus não fará justiça aos seus escolhidos, que clamam a ele de dia e de noite, ainda que tardio para com eles?” (v.7). A bondade de Deus faz com que Ele ouça aos seus servos. E não poderia ser diferente, pois Jesus ensinou que se, nós, pois, sendo maus, sabemos dar boas coisas aos nossos filhos, “quanto mais vosso Pai que está nos céus, dará bens aos que lhe pedirem?” (Mt 7.11). Antes disso o Mestre também ensinava sobre a oração, dizendo: “Pedi, e dar-se-vos-á; buscai e encontrareis; batei, e abrir-se-vos-á” (Mt 7.7). Na parábola que estamos estudando, encontramos a viúva clamando, e este é o recurso utilizado por Jesus para, mais uma vez, ensinar sobre a oração e nos lembrar que Deus é bom.

2. Deus é justo. Além da bondade do Pai, o crente sabe que Ele é justo. Uma vez mais é necessário recordar que a parábola não deve ser tomada ao nível dos detalhes, pois estes não são o mais importante. O juiz de nossa parábola é iníquo, injusto; Deus, a quem servimos, por outro lado, é justo. Nisto consiste o elemento de contraste dessa parábola. Este conhecimento já tinha Abraão ao chamar o Senhor de “Juiz de toda a Terra” (Gn 18.25). A justiça de Deus é tão elevada que, assim como a paz de Cristo, excede a todo nosso entendimento (Is 56.1).

3. Deus assume a nossa causa. Na parábola, encontramos uma pobre viúva pedindo justiça, mas o que Jesus está ensinando é sobre o dever de orar sempre e nunca desfalecer, isto é, a perseverar. Assim, ao mesmo tempo em que ensina sobre a oração e a perseverança, o Mestre lembra um preceito da Lei, mostrando que Deus assume a nossa causa: “Pois o Senhor, vosso Deus, é o Deus dos deuses e o Senhor dos senhores, o Deus grande, poderoso e terrível, que não faz acepção de pessoas, nem aceita recompensas; que faz justiça ao órfão e à viúva e ama o estrangeiro, dando-lhe pão e veste” (Dt 10.17,18).

III. A PERSEVERANÇA DA VIÚVA É UMA IMAGEM PARA NÓS 

1. Oração. Até que nosso Senhor retorne, infelizmente, viveremos em constante luta contra o pecado (Hb 12.1). Por esse motivo, não devemos desistir de perseverar na oração e na súplica até que alcancemos o alvo (Fp 3.12-14). Ainda durante seu ministério Jesus exortava aos seus discípulos a que estivessem de “sobreaviso” e que também vigiassem e orassem (Mc 13.33 — ARA). Uma das características distintivas do Evangelho de Lucas é a oração (3.21; 5.16; 6.12; 9.18,28,29; 10.21,22; 11.1; 22.41-46; 23.46). Ao ensinar a respeito do Espírito Santo, Lucas nos mostra que Deus cumpre o seu propósito. No entanto, exige a atitude certa por parte do povo de Deus que, de acordo com este Evangelho, é a oração. Vemos Jesus orando antes de cada grande crise da sua vida, ou seja, chegando a orar pelos seus agressores (Lc 23.34). Por ser um homem de oração, Jesus exortou seus discípulos a fazerem o mesmo (Lc 11.2; 22.40,46). É importante lembrar que Jesus advertiu contra o tipo errôneo de oração (Lc 20.47).

2. Perseverança. Além de orar, é necessário compreender que a oração deve vir acompanhada de perseverança. A exortação à oração persistente está estreitamente ligada à expectativa da volta do Senhor. O texto de Lucas 17.22 nos alerta de maneira bastante clara a respeito do tipo de oração e do perigo de esmorecimento na prática de orar a qual se tem em mira aqui. Deus quer ser buscado de forma incessante e persistente pelos seus, pois a perseverança levará em conta o tempo de espera como um meio para aclarar e purificar a nossa vida no aprendizado das coisas de Deus.

3. Fé. Somos, da mesma forma, exortados a perseverar na fé. A parábola conclui com uma pergunta: “Quando, porém, vier o Filho do Homem, porventura, achará fé na terra?” (v.8b). Jesus refere-se aqui à fé da súplica incessante, que não esmorece, ou seja, à fé perseverante. A própria interrogação traz uma conexão direta com a parábola, pois questiona se o Filho irá encontrar uma fé persistente como a da viúva. Esta fé é aquela que, em meio às dificuldades e às perseguições, transforma-se em fidelidade e coragem para testemunhar diante dos homens (Lc 9.26; 12.9). A fim de preservarmos este tipo de fé, precisamos cultivar uma vida de oração constante e persistente.

CONCLUSÃO

A interpretação dessa parábola como um ensino sobre a oração persistente tem sido a melhor interpretação ao longo da história da igreja. A viúva que, com sua insistência, constrange o juiz à intervenção, é um modelo de perseverança na fé e na oração confiante. Esperar com firmeza e fidelidade a vinda do Filho do Homem, ou seja, a consumação da nossa salvação é o melhor incentivo para a oração corajosa. No “mundo tereis aflições”, disse Jesus (Jo 16.33), mas somos convocados a permanentemente invocar a Deus por socorro, pois sempre fará justiça aos que clamam a Ele. Deus sempre estará junto daqueles que perseveram na fé e na oração.

Fonte: www.estudantesdabiblia.com.br

Curso de noivos acontece nesta sexta

casamento

O Curso de Noivos da AD Içara chega a mais uma edição. Nesta sexta-feira, dia 26, será dada abertura as 19h30min. O curso ocorrerá no plenário do templo sede e será encerrado no sábado a noite.

Os interessados devem procurar a secretaria geral da igreja em horário comercial. As inscrições também poderão ser feitas no local do curso.

Mais informações com os responsáveis pelo curso, presbítero Márcio e Jane Carvalho  (99648-1577).