Congresso Infantil CADI começa nesta sexta

cadico

O congresso geral do departamento Crianças das Assembleias de Deus de Içara (Cadi) ocorrerá entre os dias 12 e 14 de outubro no templo sede. O tema escolhido foi “Crescendo no amor de Deus. 1 João 4.7-8″.

Na sexta-feira (12) será realizada a partir das 14 horas a Tarde da Alegria em frente a igreja. A abertura do congresso acontece no período da noite a partir das 19 horas.

O evento continua no sábado (13) e tem seu encerramento no domingo (14) com a formatura do discipulado infantil.

Entre os convidados para ministrar estão pastor Cleber e Izabel Amorim, Tios em Cena, Tio Éviton e tia Gi, Orquestra Celebração e Vocal Cadi.

Todos estão convidados a participar das festividades.

Ceia do Senhor foi comemorada no Templo Sede AD Içara

ceiasede

O culto de ceia do templo sede foi marcado pela presença do Senhor. A celebração realizada na noite de domingo, dia 07, contou com muitos louvores e a ministração da palavra de Deus. Veja as fotos.

A Orquestra Celebração, o Ministério de Louvor Restauração e o Círculo de Oração Monte Sião entoaram canções.

Ministrou a palavra de Deus pastor Cirço de Lima, e na sequência realizou uma oração pelas pessoas que foram diante do altar.

Iniciada a ceia foi feita a leitura tradicional da celebração, 1 Coríntios 11:23. Também foi partido o pão e feita a oração pelo pão e vinho. Já distribuída a ceia foi feita uma oração em agradecimento a Deus.

Adolescentes Adadi estão promovendo desafios

desafioadad

O grupo de Adolescentes da Assembleia de Deus de Içara (Adadi) está promovendo uma série de desafios com os adolescentes das igrejas através de um aplicativo.

Para a liderença o objetivo é envolver esses adolescentes por mais tempo com ações que os aproximem de Deus. “Propomos esse aplicativo, que é algo que chama a atenção e já é do convívio deles (tecnologia). Estamos lidando com uma geração bem atualizada em questão tecnológica e precisamos agir em torno disso”, destacou um dos cordenadores, aux. Josué Diehl.

O primeiro desafio já foi cumprido. A tarefa era tirar uma foto com a Bíblia. Muitos adolescentes estão participando e enviam suas fotos para a página do Adadi no facebook. Veja as fotos aqui.

O dirigente da AD Pinheiro gostou tando da iniciativa que entrou na gincana e também registrou sua foto segurando a Bíblia.

Em breve mais desafios serão lançados no aplicativo e podem ser acessados pelo link: https://app.vc/desafioadadi

Jovens da AD Tereza Cristina celebraram 10º aniversário

jovenstereza

A igreja do bairro Tereza Cristina comemorou no último final de semana, dias 29 e 30 de setembro, o 10º aniversário do grupo de jovens “Unidos pela força de Deus”. A celebração teve como tema a passagem de João 4.23 “Você tem sido um adorador? Sabe como ser?”.  Veja as fotos.

Evangelista José Roberto, coordenador da Juventude Unida das Assembleias de Deus de Içara, Juadi, mencionou algumas palavras de incentivo ao grupo parabenizando por mais um aniversário.

Após a ministração da palavra foi realizada uma oração pelos jovens e pessoas que se dirigiram diante do altar. Nesse momento muitas lágrimas e clamores marcaram a oração.

LIÇÃO 01 – A Carta aos Hebreus e a excelência de Cristo | 07/10/2018

ebd014

INTRODUÇÃO

Nesta lição introdutória do nosso estudo da Carta aos Hebreus, queremos iniciar dizendo que assim como todos os escritos da Bíblia, esta carta é um documento especial. Em nenhum outro documento do Novo Testamento encontramos um apelo exortativo tão forte. Isso possuía uma razão de ser — os crentes hebreus davam sinais de enfraquecimento espiritual e até mesmo o risco de abandonarem a fé! Era, portanto, urgente admoestá-los a perseverarem. Jesus, a quem o autor mostra ser maior do que os profetas, maior do que todas as hostes angélicas, maior do que Arão, Moisés, Josué e até mesmo os céus, é nosso grande ajudador nessa jornada.

I. AUTORIA, DESTINATÁRIO E PROPÓSITO 

1. Autoria. A Carta aos Hebreus não revela o nome do seu autor. Esse fato fez com que surgissem inúmeras controvérsias em torno de sua autoria. É certo que os cristãos primitivos sabiam quem realmente a escreveu; todavia, já por volta do segundo século da nossa era não havia mais consenso quanto a isso. Clemente de Alexandria, no final do segundo século, atribuiu ao apóstolo Paulo a sua autoria, contudo, ao afirmar que Paulo a escreveu em hebraico e que Lucas a teria traduzido para o grego, passou a ser duramente questionado. As razões são basicamente duas: O texto de Hebreus, um dos mais rebuscados do Novo Testamento grego, não parece ser uma tradução. Por outro lado, o estilo usado na carta não parece ser de forma alguma de Paulo. Outros nomes surgiram como possíveis autores de Hebreus: Barnabé, Apolo, Lucas, Clemente Romano, etc. O certo é que somente Deus sabe quem é o seu autor. Por outro lado, o fato de ter sua autoria desconhecida em nada diminui a sua autoridade.

2. Destinatários. Não há dúvida de que a Carta aos Hebreus foi escrita para cristãos judeus. Deve ser observado que essa carta foi endereçada a uma comunidade específica de cristãos e não a um grupo indeterminado. O autor conhece o público a quem endereça o seu texto e espera até mesmo encontrar-se com eles (Hb 13.19,23). Onde viviam esses crentes é um ponto debatido pelos teólogos. Baseados na expressão “os da Itália vos saúdam” (Hb 13.24), muitos eruditos argumentam que esses crentes se encontravam fora de Roma, capital do Império Romano. A data da carta é motivo de disputa, mas as evidências internas permitem-nos situá-la antes da destruição do Templo de Jerusalém no ano 70 d.C.

3. Propósito. O escritor I. Howard Marshal observa que Hebreus combina instrução com exortação. De fato, essa carta possui uma grande carga exortativa. Ela exorta os crentes a terem ânimo, confiança e fé em um tempo marcado pela apostasia. Muitos pareciam estar desanimados com a oposição que a nova fé vinha sofrendo e em razão disso estavam voltando às antigas práticas judaicas. A carta, portanto, exorta esses crentes a suportarem as pressões e perseguições, lembrando-os que não haviam ainda derramado sangue pela sua fé (Hb 12.4). Essas palavras continuam ecoando nesses dias quando muitos crentes demonstram apatia e falta de fervor espiritual diante de um mundo hostil.

II. CRISTO — A PALAVRA SUPERIOR A DOS PROFETAS

1. A revelação profética e a Antiga Aliança. Ao falar da supremacia de Jesus, o autor de Hebreus primeiramente o faz em relação aos profetas. Deus falou no passado pelos profetas e no presente pelo Filho (Hb 1.1). A revelação profética no antigo Israel fez com que esse povo se distinguisse dos demais. O autor mostra um Deus que se revela, que se comunica com os seus. Ele fala de uma forma direta a seu povo, não é um Deus mudo! Os advérbios gregos polymerôs (“muitas vezes”) e polytropos(“muitas maneiras”), que modificam o verbo falar, mostram a intensidade dessa comunicação. Deus, em nenhum momento da história, deixou o seu povo sem orientação. Ele fala, e fala sempre o que é necessário.

2. A revelação profética e a Nova Aliança. Aos cristãos da Nova Aliança, Deus falou por intermédio do seu Filho (Hb 1.1). O uso das expressões “havendo falado” ou “depois de ter falado” (Hb 1.1,2) por parte do autor mostra que essa ação de Deus foi um fato consumado. Isso tem levado alguns intérpretes a dizer que a partir daquele momento, Deus não falaria mais diretamente com ninguém. Mas isso é ir além daquilo que o autor tencionava dizer. O uso dessa expressão é mais bem entendida como significando que Deus falou de forma completa nos dias do autor, todavia, sem a conotação temporal de que não falaria mais no futuro. O Espírito profético, que é o Espírito de Cristo (1Pe 1.11; Rm 8.9,10), continua dando à Igreja hoje a percepção do plano e vontade de Deus para o seu povo (Jo 14.26; 15.26; 16.13). E isso sempre em consonância com as Escrituras.

3. Cristo: a revelação final. O objetivo do autor aqui, evidentemente, é mostrar que Cristo é o clímax da revelação profética. Ele é a revelação final! O ministério profético na Antiga Aliança era de importância ímpar. O Senhor disse que falaria por intermédio de seus profetas: “Certamente o Senhor Jeová não fará coisa alguma, sem ter revelado o seu segredo aos seus servos, os profetas” (Am 3.7). O silêncio profético, portanto, era a pior forma de castigo que poderia vir ao antigo Israel. Os profetas eram importantes, mas a relevância deles estava muito longe daquela possuída por Jesus Cristo, o Filho de Deus. Os profetas eram apenas servos, mas o Filho era o herdeiro de Deus e o agente da Criação (Hb 1.2). Ele é o redentor do mundo! Nenhum profeta morreu de forma vicária pelo povo de Deus.

III. CRISTO — SUPERIOR AOS ANJOS

1. Cristo: superior em natureza e essência. Devemos ter sempre em mente que o autor de Hebreus tenciona mostrar a superioridade de Cristo em relação às demais ordens da criação. O seu foco aqui são os anjos. A cultura judaica via os anjos como seres de uma ordem superior e mediadores da revelação divina (At 7.53; Gl 3.19; Hb 2.2). Mesmo cercados de força e poder, os anjos eram inferiores ao Filho (Hb 1.4). Jesus é o reflexo da glória de Deus e possuidor da mesma essência divina (Hb 1.3). O autor usa dois vocábulos gregos que deixam isso bem definido: apaugasma e character, que significam respectivamente “radiância” e “reflexo”, traduzidos aqui como resplendor e “caráter”, com o sentido de expressão exata do seu ser. Embora sendo pessoas diferentes, tanto o Filho como o Pai possuem a mesma essência. Cristo é o Deus revelado!

2. Cristo: superior em majestade e deidade. O autor passa então a mostrar a supremacia de Cristo em relação aos anjos por meio de vários fatos documentados nas Escrituras. Os anjos são criaturas, o Filho é Criador. O filho é gerado, não criado. C. S. Lewis observa que o que Deus gera é Deus; assim como o que o homem gera é homem. O que Deus cria não é Deus; da mesma forma que o que o homem faz não é homem. Daí a razão de os homens não serem filhos de Deus no mesmo sentido que Cristo. Eles podem assemelhar-se a Deus em certos aspectos, mas não pertencem à mesma espécie. O mesmo se pode dizer dos anjos. Eles não possuem a mesma essência divina que o Filho. É por essa razão que o autor destaca que o Filho é chamado de “Deus” (v.8) e que por isso merece adoração (v.6). A Ele toda honra e glória!

CONCLUSÃO

O autor de hebreus não quis se identificar, mas isso em nada compromete a autoridade desse documento. Desde os primórdios, a igreja valeu-se dos ensinos dessa carta para fortalecer a fé dos crentes. Clemente de Alexandria fez amplo uso das exortações encontradas nessa carta e, ao assim fazer, reconhecia o profundo valor espiritual de Hebreus. Nesses últimos dias, onde os joelhos de muitos cristãos parecem vacilantes, faz-se necessário atentarmos diligentemente para o conselho encontrado em Hebreus, “se ouvirdes hoje a sua voz, não endureçais o vosso coração” (3.7).

Fonte: www.estudantesdabiblia.com.br

Núcleo ADAD Vila Nova realizou formatura

adadvila

O grupo ADAD (Adolescentes que Amam a Deus) Núcleo Vila Nova formou sua mais uma turma no domingo, dia 30 de setembro.  O cerimonial de formatura ocorreu no templo da Assembleia de Deus. Veja as fotos.

O ato iniciou com louvores e já na sequência foi iniciado o cerimonial. Primeiro foi realizada a entrada da Bíblia Sagrada. Em seguida foi a vez da entrada das bandeiras.  Feita a entrada das bandeiras todos os aspirantes ADADs adentraram o templo. Com todos posicionados, foi entoado o hino nacional brasileiro e na continuação recitado pelo grupo a missão e os valores do departamento.

Familiares foram até os formandos para realizar a entrega dos certificados. Premiações para os ADADs que se destacaram também foram concedidas.

O instrutor-chefe do núcleo agradeceu a todos que contribuíram com o ADAD. “Que Deus abençoe a cada um que deu uma parcela de apoio, para que hoje pudéssemos estar realizando este importante ato”, comentou Fabrício Ricardo.